2. Como atuamos

Os Fantásticos Frenéticos  utilizam as técnicas do palhaço para interagirem junto aos pacientes de instituições psiquiátricas.  Apresentam-se sempre em duplas, duas vezes por semana em encontros de duração variada. A tônica do trabalho é a busca do jogo decorrente do encontro entre o palhaço e os usuários dos serviços oferecidos por instituições que se dedicam ao tratamento de problemas psiquiátricos. Através desses encontros, tanto o palhaço quanto pacientes, criam formas de expressão que enriquecem as possibilidades de se estar no mundo.
As visitas são realizadas com frequência de dois encontros semanais e duração variada, em função da demanda de cada encontro. Há dias nos quais as visitas duram cinco horas e outros nos quais em pouco mais de uma hora já não há vitalidade nos encontros. Entendemos que a duração de nossas visitas devem ser pautadas exatamente por esse critério: a vitalidade dos encontros. Quando percebemos que nossa presença já foi incorporada pelo ritmo viciante da rotina, encerramos nossa visita.
Assim criamos a base do que viria a ser nosso método de trabalho: duas visitas semanais, realizadas por palhaços, em dias não fixos, com duração flexível, baseada na força dos encontros entre os palhaços e os pacientes.
Esses encontros buscam o reconhecimento do outro e não são baseados numa relação de espectador e ator. O jogo é o fundamento desses encontros. Os palhaços nunca submetem seus interlocutores a uma posição passiva na relação, a uma posição de público espectador, ao contrário, palhaço e pacientes, funcionários, terapeutas ou médicos atuam juntos num encontro vivo e real onde tudo pode acontecer, até mesmo o abandono da relação.
Os recursos técnicos dos palhaços – técnicas de improvisação, instrumentos musicais, gags, e técnicas corporais – estão sempre a serviço da relação e nunca em primeiro plano.
A larga experiência dos “Fantásticos Frenéticos” – palhaços integrantes  dos Doutores da Alegria, do Jogando no Quintal,  e com vivência no meio hospitalar brasileiro e internacional – assegura um grande arsenal de recursos que os tornam capazes de reagir de modo adequado aos reveses e surpresas que o ambiente psiquiátrico proporciona.

 

Uma resposta to “2. Como atuamos”

  1. claudia alves Says:

    Quero muitooooooooooo aprende um pouco mais. Só contar histórias não me basta, preciso ajudar, tem gente que precisa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: