Archive for junho \26\UTC 2008

Novas fotos

junho 26, 2008

Agora você pode ver essa e outras fotos dos Fantásticos Frenéticos em ação, realizadas recentemente por Juliana Dorneles, no Instituto A Casa. Basta clicar AQUI.

Anúncios

Faz tempo, né!

junho 25, 2008

É verdade, você que acompanha nosso blog de perto deve ter percebido nossa ausência temporária dessas páginas. É que é tempo de reviravoltas, muito positivas, diga-se de passagem, em nossas vidas pessoais e, por conseqüência, na vida do grupo. Além disso, atolamo-nos com a redação de projetos, e o próprio Grupo de Estudos virou palco de instigantes discussões sobre os termos e conceitos a serem utilizados nessas redações. Enfim, “briga” das boas, do jeito que a gente gosta. Descobrimos que assim avançamos! Nos próximos posts traremos mais notícias de nossas mais recentes visitas ao Instituto A Casa. Estiveram por lá, Carolina Guilherme, da “Moema em Revista”, entrevistando-nos, e Juliana Dorneles, nossa companheira de Estudos, fotografando-nos. Esperamos em breve partilhar o resultado dessas visitas e, é claro, não ficar mais tanto tempo sem dar notícias.

Que bela confusão no Grupo de Estudos

junho 4, 2008

Calma, calma!!! Está tudo ótimo, a tal da confusão é sã e salvadora. Calma, calma!!! Não se trata tampouco de um elogio delirante à bagunça e à dispersão. O que pretendemos dividir com você, leitor deste blogue, é a constatação, uma antiga constatação, de que não há aprendizado, de que não há descoberta sem que se atravesse um estado de confusão… de potente incongruência. Valorizamos esse caldeirão que dissolve as respostas únicas, “certas” e diretas; que mexe com o que se definiu como intocável. Para nós, um estado perpétuo de experimentação e de tatear, é indispensável a qualquer processo que se pretenda criativo. E nesse sentido, o Grupo de Estudos não está apenas a serviço de uma “reflexão” do trabalho desenvolvido no hospital; o Grupo de Estudos é em sua essência “criador”, não reflete, cria junto os conceitos do que chamamos de Fantásticos Frenéticos. E é provavelmente isso que nos tem guiado, que tem feito brotar o desejo em cada um de nós de regressar às conversas, não pelo simples prazer de jogá-las fora, pelo contrário, para jogá-las dentro de um mundo que tende a enxergar como útil apenas aquilo que é legível e rentável imediatamente. Palhaços? Loucos? Eis aí nossos terrenos, nossas escavações! Calma, calma!!! Estamos estudando mecanismos para que no futuro nossas pesquisas, criações, e os rastros do que elas eventualmente deixarem, sejam partilhadas com um público mais amplo, para além das pinceladas que pingamos de tempos em tempos nessas páginas. Aguardem!!!

Deleuze e o Anti-Édipo

junho 4, 2008

Está em francês com legendas em italiano; é apenas um trecho recortado de uma das aulas de Gilles Deleuze em Vincennes; um primeiro contato para alguns, uma revisita para outros, de qualquer modo, para quem se interessa e para quem quer se interessar pelo assunto, vale a pena assistir